REGISTRO CIVIL
DAS PESSOAS NATURAIS E 2ª ZONA
NOVO HAMBURGO - RS

Detran RS

1ª Zona (51) 3593-3841

2ª Zona (51) 3594-2124

CRVA (51) 3582-0101

NOTÍCIAS

LEI DA DESBUROCRATIZAÇÃO NÃO APLICA-SE AOS SERVIÇOS NOTARIAIS E DE REGISTROS

24/09/2019

 DECISÃO

Cuida-se de pedido de providências formulado pela CORREGEDORIA
GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ em desfavor da CORREGEDORIA
NACIONAL DE JUSTIÇA.
A requerente alega que foi questionada sobre a incidência da Lei n.
13.726/2018 (Lei de Desburocratização) aos Serviços de Registros de Imóveis,
especificamente quanto à exigência de reconhecimento de firma.
Explicita que a citada lei “Estabelece, dentre seus regramentos, que é
dispensada da exigência de reconhecimento de firma (art. 3º, inciso I) e autenticação de
cópia de documentos (art. 3º, inciso II) na relação do cidadão com órgãos e entidades
dos Poderes da União, dos Estados, Distrito Federal e Municípios”.
Sustenta, ainda, que “Esta Corregedoria tem recebido questionamentos
acerca da aplicabilidade da nova legislação pelos usuários no âmbito dos serviços
notariais e de registro, principalmente quanto a exigências de agentes delegados para
apresentação de reconhecimento de firma e autenticação de cópia de documentos,
considerando a existência de previsão legal específica que os exige para a prática de
determinados atos jurídicos (v.g. art. 158, art. 221, inciso II e art. 250, inciso II, da Lei
6.015/1973)”.
Informa, por fim, que vem recebendo consultas questionando acerca da
necessidade da aplicação da Lei de Desburocratização aos serviços extrajudiciais.
Assim, com o objetivo de receber orientação e unificar o entendimento
acerca da aplicação da Lei n. 13.726/2018 ao serviço extrajudicial, a requerente pleiteia
a manifestação da Corregedoria Nacional acerca do tema.
Num. 3624689 - Pág. 1
É, no essencial, o relatório.
A lei nº 13.726/2018, conhecida como Lei da Desburocratização possui por
objetivo primordial a racionalização de atos e procedimentos administrativos dos
Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, nas relações
entre estes entes políticos, suas entidades e o cidadão, portanto, aplica-se tão somente
às relações entre o cidadão e o Poder Público.
A atividade extrajudicial brasileira, por força do disposto no art. 236 da
Constituição Federal, apresenta-se como delegação do poder público, porém, exercida
em caráter privado.
Esta característica do serviço extrajudicial brasileiro é de fundamental
importância para que se possa concluir pela aplicação ou não da lei da
desburocratização aos serviços notariais e registrais do país.
Diante desse quadro, não há como se admitir a aplicação da lei, com a
isenção de todos os emolumentos referentes aos serviços prestados pelos cartórios
extrajudiciais brasileiros.
O cidadão que procura um cartório para autenticar um documento ou
reconhecer uma firma está realizando um ato com um ente privado e não com um ente
público, a justificar a dispensa das exigências previstas em qualquer das hipóteses
previstas no art. 3º da Lei nº 13.726/2018.
Como dito, a lei desburocratiza as relações do cidadão com o Poder
Público e não o particular.
A delegação de serviço de natureza pública está relacionada à
competência para que um ente, dentro de sua esfera, possa transferir a um terceiro,
pessoa física ou jurídica, a execução da atividade, sob sua conta e risco.
Portanto, os serviços de autenticação, reconhecimento de firma e outros
praticados nas serventias brasileiras, por encerrar uma relação de natureza privada do
cidadão com o cartório, não estão incluídos, para fins de dispensa, na Lei nº
13.726/2018, muito menos com a possibilidade de serem praticados com isenção de
emolumentos.
Considerando a relevância do tema e a necessidade de aplicação uniforme
em todo o território nacional, atribuo à presente decisão o caráter normativo.
Intime-se o requerente que suscitou a dúvida.
Intimem-se todas as Corregedorias de Justiça dos Estados e do Distrito
Federal para que tomem ciência da presente decisão e comuniquem os cartórios
submetidos às suas fiscalizações.
Após, arquivem-se os autos.
Data registrada no sistema.
Num. 3624689 - Pág. 2
MINISTRO HUMBERTO MARTINS
Corregedor Nacional de Justiça

Mais notícias

  • 22/01/2020:

    Clipping - Mix Vale - Após registro no cartório do bebê, INSS irá pagar ao Beneficiário o Auxílio Maternidade

    -  Clipping - Mix Vale - Após registro no cartório do bebê, INSS irá pagar ao Beneficiário o Auxílio Maternidade 03/01/2020 Após registro no cartório do bebê, INSS irá pagar ao Beneficiário o Auxílio Maternidade. O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) implementou a concessão do auxílio-maternidade automático. A iniciativa, que faz parte de um pacote de modernização na liberação de benefícios da Previdência Social, funcionará de forma integrada com os cartórios de registro civil. De acordo com o presidente do instituto, Francisco Paulo Soares Lopes, a medida chega para modernizar os processos e visa também a desafogar as agências do órgão, que sofrem com excesso de requerimentos e poucos servidores. — Quando o pai ou a mãe for ao cartório registrar o recém-nascido, as informações serão repassadas ao INSS e, automaticamente, o benefício será liberado. Isso evitará a demora na concessão desse auxílio tão importante — explicou Lopes. De acordo com Lopes, os cartórios serão um braço do INSS na concessão do benefício previdenciário. Conforme destacou o presidente, os cartórios também poderão fazer atualizações cadastrais junto ao INSS. Por exemplo, se a pessoa vai registrar a criança, e o cartório detecta algum erro cadastral, será possível fazer a correção dos dados no local para a liberação do benefício. — Estamos negociando com os cartórios. Possivelmente, esse serviço deve ser cobrado, mas não passará de R$ 5. Vale lembrar que, se a correção de cadastro for feita na agência, por exemplo, continuará sendo de graça. Mas esse valor ainda está em negociação com a associação de cartórios — destacou Lopes. O salário-maternidade é um benefício concedido às mães durante o período de afastamento após o nascimento ou a adoção de uma criança. Apesar de ser conhecido por contemplar quem trabalha com carteira assinada, as seguradas desempregadas também têm esse direito, assim como as autônomas que contribuem para a Previdência Social, incluindo as microempreendedoras individuais (MEIs). De acordo o INSS, quem está sem trabalhar tem direito ao salário-maternidade desde que o nascimento ou a adoção tenha ocorrido dentro do período de manutenção da qualidade de segurada. O benefício que essa pessoa vai receber resulta da média de suas últimas 12 contribuições, sendo que o valor não pode ultrapassar o teto do INSS (R$ 5.645). Fonte: Mix Vale

    Leia Mais

  • 22/01/2020:

    Clipping – O Imparcial - Nascimento em 29/02 requer registro na data correta

    -  Clipping – O Imparcial - Nascimento em 29/02 requer registro na data correta 06/01/2020 Os nascidos no dia 29 de fevereiro devem ter o dia exato na certidão de nascimento, feita a partir da Declaração de Nascido Vivo (DNV) O ano de 2020 é bissexto, ou seja, tem 366 dias — o dia 29 de fevereiro a mais, excepcionalmente. Um fenômeno que ocorre, de quatro em quatro anos, pela quingentésima quarta (504ª) vez na Era Cristã, mas ainda provoca curiosidade e causa brincadeiras. Mas há também a parte séria do assunto. Apesar de 29 de fevereiro ser mais episódico que os demais dias do calendário, as pessoas nascidas nesta data devem ter o dia exato na certidão de nascimento, feita a partir da Declaração de Nascido Vivo (DNV). As pessoas nascidas nesta data devem ter o dia exato na certidão de nascimento, feita a partir da Declaração de Nascido Vivo (DNV). O documento é emitido por profissional de saúde responsável pelo acompanhamento da gestação, do parto ou do recém-nascido, inscrito no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) ou no respectivo Conselho profissional. Conforme a Lei nº 12.662/2012, a DNV deverá conter nome e prenome do indivíduo; sexo, dia, mês, ano, hora e município de nascimento. “Se a data for alterada é falsidade ideológica”, informa Paulo Henrique de Araújo, diretor de registro civil da Associação dos Notários e Registradores do Distrito Federal. O ano bissexto foi criado pelos romanos na época do imperador Júlio César para adequar o calendário ao tempo que a Terra leva para dar uma volta completa em torno do Sol. A translação (volta ao redor do Sol) não é feita em exatos 365 dias, mas sim em 365 dias, cinco horas, 48 minutos e 46 segundos. Essa fração de tempo é arredondada para seis horas e é compensada no ano bissexto, já que seis horas, em quatro anos, são 24 horas, ou seja, mais um dia. Fonte: O Imparcial

    Leia Mais

  • 23/12/2019:

    Proposta prevê nova hipótese para manutenção da nacionalidade

    - Proposta prevê nova hipótese para manutenção da nacionalidade   A Proposta de Emenda à Constituição PEC 175/19 impede a perda da nacionalidade para os brasileiros que receberam uma segunda nacionalidade, de forma não requerida, em virtude de casamento. O texto tramita na Câmara dos Deputados. Apresentada pelo deputado Baleia Rossi (MDB-SP), a PEC visa evitar uma situação que, segundo ele, tem sido recorrente. Ela ocorre quando um brasileiro casa-se com outro que possui dupla nacionalidade, sendo que a segunda nacionaliza automaticamente o cônjuge, mesmo sem este a requerer. Como não há previsão constitucional para essa situação, a pessoa que recebe a nova nacionalidade pode perder a brasileira. Para Rossi, a situação acaba prejudicando o cônjuge que não tem o desejo de romper os laços com o Brasil. “Nesse caso, o objetivo não é romper laços com a nação brasileira, mas apenas adequar as suas condições de vida para compatibilizá-las à realidade do país estrangeiro em que passará a viver, por decorrência do novo vínculo familiar”, disse. Transmissão A admissibilidade da PEC será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Caso seja aprovada, a proposta será analisada por comissão especial constituída especificamente para esse fim. Em seguida, será votada em dois turnos pelo Plenário. Fonte: Câmara

    Leia Mais

VEJA TODAS AS NOTÍCIAS...